0
Shares
Pinterest Google+

Rápidos demais pra congelar a imagem

Os beija-flores são sem dúvida um dos grupos de aves mais típicos do continente americano, com suas cores iridescentes, rapidez descomunal, capacidade de pairar no ar e tamanho reduzido. O beija-flor-tesoura é talvez o integrante mais famoso desse grupo, ao menos no Brasil não amazônico, provavelmente pela sua abundância em locais urbanizados, pela beleza de sua coloração, pela tesoura facilmente reconhecível e principalmente pelos seu comportamento abusado, pois é um dos maiores e mais briguentos beija-flores. É também conhecido como beija-flor-rabo-de-tesoura e tesourão.

Nome Científico

Seu nome científico significa: do (grego) eu = divindade, deus; e petonemos = sempre sustentado pelas asas, voando; e do (grego) makros = longo, comprido; e ouros, oura = cauda. ⇒ Divindade sustentada pelas asas e que tem a cauda longa ou ave divina com a cauda longa que está sempre voando.

Características

Mede entre 15 e 18 centímetros de comprimento, sendo um dos maiores beija-flores brasileiros, pesando em torno de 6-11 gramas. Cabeça, pescoço e parte superior do tórax de um profundo azul violeta; restante da plumagem verde-escuro iridescente. Pequena mancha branca atrás dos olhos; rêmiges castanho-escuro; raques das primárias externas alargadas, embora sejam bem menos evidentes que as espécies do gênero Campylopterus; cauda azul-escuro; calções brancos; bico ligeiramente curvado para baixo, preto com 2,2 centímetros de comprimento. Tem como característica principal a cauda longa e profundamente furcada que toma quase 2/3 do seu tamanho total. Esporadicamente apresenta as penas azuladas da fronte tingidas de branco, amarelo ou de cores diversas, em virtude do acúmulo de pólen proveniente das flores que poliniza. A fêmea é quase igual ao macho, sendo um pouco menor e mais pálida. O imaturo é como a fêmea, mas a cabeça é particularmente mais pálida e tingida de marrom. Os beija-flores têm o mais acelerado metabolismo entre as aves. Podemos dizer que eles vivem em outro ritmo, pois tudo é acelerado. Quando em voo, podem bater as asas dezenas de vezes por segundo. O canto é muito agudo e rápido, parecendo um simples assovio para nossos ouvidos, mas quem estuda bioacústica sabe que quando a vocalização destas aves é analisada com cuidado em um sonograma, esta mostra-se muito complexa e até melodiosa.

Previous post

Alzheimer vive época de desafios e avanços

Next post

Os invisíveis

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *