1
Shares
Pinterest Google+

Companhia de segurança faz análise de documentos disponibilizados por hacker e descobre que CNPJs de 23 mil empresas também circulam livremente na rede

SUBMUNDO - Golpe: na era digital, os crimes cibernéticos geram bilhões de reais em prejuízos e ameaçam a privacidade das pessoas – iStock/Getty Images

Após o megavazamento de dados de 223 milhões de CPFs, 40 milhões de CNPJs e 104 milhões de registros de veículos, as informações de 39.645 brasileiros e 22.983 empresas nacionais já circulam livremente e gratuitamente na internet – embora os dados estejam à venda, o hacker tornou pública uma pequena parte das informações. A conclusão é da empresa de segurança Syhunt, que analisou alguns dos arquivos disponibilizados pelo hacker em fóruns na internet.

Um dos arquivos é considerado o catálogo do criminoso – nele, estão listados, mas não reveladas, as informações que estão à venda. É possível, por exemplo, usar um número de CPF para saber o que está em poder do criminoso. Outros dois pacotes de dados, um para pessoa física e outra para pessoa jurídica, são uma espécie de ‘amostra grátis’ daquilo que ele tem para oferecer. Para pessoas físicas, são 37 categorias de informações preenchidas, em média, com dados aleatórios de mil pessoas cada. Para pessoas jurídicas aparecem mil empresas em cada uma das 17 categorias. O número específico de cada pasta pode variar.

Dessa forma, a empresa estima que, no total, o hacker tem em mãos quase 1 TB de informação: 650 GB de pessoas físicas, 200 GB de pessoas jurídicas e outros 23 GB referentes às informações de veículos. Um dos dados mais assustadores de todo o vazamento, o pacote com fotos de rosto, tem cerca de 16 GB – a empresa estima que isso se refira a 1,1 milhão de fotos (o número de pessoas afetadas pode ser menor, porque algumas podem ter mais de uma imagem no pacote).

Segundo especialistas ouvidos pelo Estadão, esse pode ser o maior roubo de informações da história do País. A origem do vazamento ainda é desconhecida. Inicialmente, o Serasa era apontado como a fonte dos dados – além do hacker afirmar ter obtido as informações junto ao birô de crédito, os pacotes de dados trazem referências à empresa.  Uma delas é uma pasta que se chama Mosaic, um serviço oferecido pelo Serasa. A outra são arquivos no formato PDF que trazem manuais de produtos da empresa, como o score de crédito. O Serasa tem repetido que investigou o caso, concluindo que as informações não têm origem na sua base de dados.

A Syhunt também não conseguiu detectar a origem do vazamento, mas já levanta a hipótese de que as bases de dados vieram de fontes diversas, embora não consiga apontar quais seriam exatamente. “Esse foi o trabalho de um insider, alguém que trabalha ou que prestou serviço para as fontes de vazamento”, diz Felipe Daragon, fundador da Syhunt. Ele explica que o criminoso provavelmente passou bastante tempo compilando as informações de diferentes bancos de dados, o que também indica que a falha de segurança que permitiu o vazamento ocorreu durante um período de tempo prolongado.

Outra descoberta da Syhunt contraria uma informação indicada pelo próprio hacker. O criminoso afirma ter dados compilados até agosto de 2019, mas a empresa descobriu informações referentes a 2020, como fotos de rosto e ocupação.

Apesar dos dados estarem divididos em 37 categorias (pessoa física) e 17 categorias (pessoa jurídica), cada uma dessas categorias traz atrelada a si diversas informações diferentes. Por exemplo, a categoria “básico completo” para pessoa física traz as seguintes informações: CPF, nome completo, sexo, data de nascimento, idade atual, nome de mãe, nome do pai e estado civil.

Usando as informações disponibilizadas pelo hacker, a Syhunt decidiu criar uma ferramenta gratuita em seu site para pessoas jurídicas, na qual é possível digital o número do CNPJ e descobrir se a empresa foi afetada, e quais dados estão sendo vendidos pelo criminoso. A empresa diz que faz uma checagem para liberar esse relatório.

Órgãos se manifestam

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) e o Procon-SP revelaram ao Estadão nesta segunda-feira, 25, que vão notificar o Serasa pedindo explicações sobre o caso. Já a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) se manifestou apenas na quarta, 27, oito dias após o caso vir a público.

Em nota ao Estadão, a ANPD disse que “está apurando tecnicamente informações sobre o caso e atuará de maneira cooperativa com os órgãos de investigação competentes e oficiará para apurar a origem, a forma em que se deu o possível vazamento, as medidas de contenção e de mitigação adotadas em um plano de contingência, as possíveis consequências e os danos causados pela violação”.

O órgão afirma ainda que “sugerirá as medidas cabíveis, previstas na Lei Geral de Proteção de Dados, para promover, com os demais órgãos competentes, a responsabilização e a punição dos envolvidos”.

O posicionamento da agência é ainda mais tardio considerando que os dados vazados apareceram na internet pela primeira vez em 11 de janeiro.

 

As informações são do Jornal O Estado de SP

Previous post

Disfarça e finge que não vê

Next post

A competição na terra de ninguém

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *